Etiqueta: SALAS

“Sala Nórdica”

Por Teresa Pietra Torres

Carla Batista candidata-se, para surpreender o filho, com a sala, espaço onde passam muito tempo juntos e precisava de uma grande renovação.

Teresa Pietra Torres, a nossa decoradora, foi desfiada a transformar esta pequena sala e trazer-lhe uma nova vida, para isso decidiu mudar ligeiramente o layout e estender o espaço para a varanda, como prolongamento da sala é um pequeno detalhe que, visualmente, faz toda a diferença.

Apesar de não ser uma obra complicada, era importante trazer para a divisão peças leves, funcionais claras e discretas, tal como as cores e a decoração. A sala tem inspiração na decoração nórdica, então as madeiras aqui tinham claro, que estar presentes.

Neste espaço tão pequeno, o branco faz todo o sentido ser a cor primordial, no entanto a parede de maiores dimensões tem um tom azul pastel e alberga uma estante que ocupa a parede toda. Noutra parede, junto à zona de refeições, com um stensil e uma esponja criou-se um padrão, quase como se fosse um papel de parede, para dar vida e diversão ao espaço.

A varanda apesar de também de pequenas dimensões foi dividida em duas zonas, a zona lounge do lado da sala e a zona de churrasco do lado da cozinha. Para se perceber a divisão colocou-se deck na zona do churrasco e relva na zona lounge. Na parede a meio da varanda colocou-se um jardim vertical e o parapeito foi disfarçado com vime.

“Espaços com vida”

Por Rita Glória

Maria Paula, a candidata deste episódio, via sempre com a filha o nosso programa e, depois de a perder, não hesitou em inscrever-se com a casa onde moravam para poder dar às netas um espaço com vida para quando a forem visitar. Candidatou-se com a cozinha (estava completamente degradada) e a sala, que são uma única divisão.

Os Queridos estavam perante um espaço grande com muito trabalho, não foi uma obra fácil. Sendo um openspace, Rita Glória, a nossa decoradora, tratou-o como tal, mudando o layout da cozinha de forma a que espaços comuniquem entre si, no entanto com áreas completamente distintas: hall de entrada, cozinha, zona de refeições e zona de estar.

Para o revestimento da cozinha foram usadas pastilhas brancas redondas com betume de cor bege. As portas inferiores são um tom café com leite e as superiores brancas com a função de abrir visualmente o espaço devido ao pé direito demasiado baixo. Toda a cozinha é caraterizada por um aspeto neutro.

As paredes têm dois tons, o branco/bege para a parte superior e terracota como lambril a 90cm de altura. Um projeto bastante colorido apesar de serem cores pastel. Há uma parede de destaque, a parede do móvel da TV que está de frente para a entrada, quase como se quando se entra está-se presente a quadro gigante que ocupa toda a parede.

“Um novo sentido de CASA”

Por Luís Pedro de Abreu

Márcio Silva, o candidato deste episódio, nasceu no Açores e desde que assentou arraiais no continente que tem lutado para conquistar a sua independência. A sua última conquista foi a casa onde vive atualmente que infelizmente carecia de conforto e comodidade. Foi a fim de renovar o apartamento e de forma a ter condições de receber a mãe, que Márcio sentiu a necessidade de se candidatar ao ‘Querido, mudei a casa!’.

Era uma sala vazia, com uma ausência total de mobiliário e de decoração, não havia mesa de jantar e o sofá era apenas um colchão no chão; sentia-se um vazio que tinha que ser urgentemente preenchido, sendo que o objetivo principal era trazer o maior conforto possível.

Uma das coisas fundamentais que o candidato tinha na sala era uma secretária de trabalho, tal como o Márcio muitos de nós tivemos que nos adaptar a esta realidade. Na casa havia uma divisão livre, uma divisão de arrumos, e quando Luís Pedro se apercebe disso desenvolveu o projeto no sentido remodelar os dois espaços e criar zonas distintas: a sala (zona de lazer) e o escritório/quarto de hospedes – tirar a zona de trabalho da zona de lazer.

Todas as paredes da sala foram preenchidas por bites para criar almofadas em virtude de cortar sua monotonia natural, estas foram criadas à imagem de paredes de uma casa apalaçada. A ideia era realmente criar o contraste do antes, a ideia de vazio, para uma divisão apalaçada, numa decoração jovem com uma fusão híbrida entre a casa jovem e a casa no sentido de “CASA”, clássica.

Este lambrim criado foi pintado de tom café com leite que contrasta com o papel de parede com um ar mais tosco de tom suave com uma textura bastante orgânica. Grande parte da iluminação escolhida foi preta e metálica para dar um masculino e industrial, tanto na sala como no quarto.

Desta vez, Luís Pedro optou por um quarto todo o branco, com ligeiros apontamentos de cor, fazia sentido ter uma decoração tranquila por ser um espaço para trabalho. O nicho que havia no quarto foi transformado num roupeiro muito original, onde o varão de madeira está suspenso em cordas.

Mãos-à-Obra – “Urban Jungle”

Por Ana Antunes

No Mãos-à-Obra deste programa, Ana Antunes em conjunto com João Benedito, explicam-lhe como adaptar um chuveiro de casa de banho para o exterior.

https://www.leroymerlin.pt/?gclid=Cj0KCQjw3f6HBhDHARIsAD_i3D-JdUpO6qMQmv8KBzd3Gz1bAG6eLvbYK2zC8ez6SAqldQL_epQlPLcaAgBcEALw_wcB

“Urban Jungle”

Por Ana Antunes

A candidata deste programa, Fernanda Brito, mudou-se há poucos anos para Portugal. Fernanda, o marido e a filha moravam no Brasil e por questões de segurança decidiram mudar de país. Compraram a casa à distância pela Internet e, sem nunca a terem visto, arriscaram tudo, como tantas famílias brasileiras. Os moveis que tinham na casa eram os que a antiga proprietária tinha deixado.

A divisão com que se candidataram foi a sala, não se sentiam lá bem, principalmente pelo chão forrado a carpete que era de difícil limpeza com as cadelas que têm, e por ser um espaço frio e sem isolamento quase nenhum. Mas, assim que Ana Antunes vê pela primeira vez o espaço percebeu que não o podia projetar sem incluir o pátio, a sala vive para o exterior e esta família vem de um país em que estão habituados a conviver em espaços abertos. Não fazia sentido não prosseguir com a remodelação para o exterior, até porque com o bom tempo podem usufruir mais do jardim do que da sala.

Por se sentir uma continuidade nestes dois espaços foram aplicados o preto, o branco e o verde, num estilo contemporâneo tropical. O preto e o branco são contemporâneos e ao mesmo tempo fazem o verde, que é o tropical, destacar-se e todos os pormenores têm um bocadinho de sabor a Brasil.

O truque na sala era torná-la visualmente maior e isso foi feito através do novo layout, dos espelhos e do mobiliário visualmente mais leve. Em vez do usual papel de parede, a nossa decoradora, aplicou um painel cerâmico tríptico da Margres, que até no toque parece papel de parede. Este painel faz uma ligação bastante direta ao exterior.

O branco e o preto têm continuidade no exterior e fazem sobressair o mais importante e o que confere mais exuberância ao espaço, as plantas. Dois tipos de plantas foram escolhidas pela INGREEN: um tipo de linhas mais retas que conjuga com as tropicais. Assim foi criada uma perfeita sintonia e um bom impacto tendo em conta que o jardim tinha apenas canteiros.

Dois do momentos fundamentais do jardim são os dois painéis de azulejo simétricos, um enquadra o barbecue e o outro o chuveiro.

“Natural sofisticado”

Por Ana Antunes

Por trás de cada remodelação e de cada casa há uma história de uma família. Maurício, candidatou-se ao ‘Querido’ para trazer mais alguma felicidade aos pais. Há uns anos o seu pai, Carlos, teve um AVC que lhe trouxe uma incapacidade de mais de 90%, e é a mãe, Cecília, que diariamente toma conta do marido e de todas as tarefas. O desejo de Maurício era que transformássemos a sala de forma a criar um espaço onde o casal possa estar, a fim de facilitar a logística à mãe que toma conta do pai.

Desde logo, Ana Antunes, percebeu que era um sala com potencial e com dimensões consideráveis, e que o essencial era potencializar um espaço que os dois conseguissem usufruir; mais do que realizar um sonho era importante melhorar as condições diárias da vida deste casal. Claro que o projeto tinha que passar por unir a sala à pequena cozinha que tinha dimensões de um corredor. Assim , Cecília que tinha como profissão ser cozinheira e que ainda gosta de aprimorar na sua arte pode ter o marido por perto, na sala.

As paredes da sala eram de uma textura agressiva e para se solucionar esse problema colocou-se gesso cartonado a toda a volta que, depois do primário, foi pintado de branco. Envolver estas divisões em branco era fundamental para dar destaque às texturas da decoração e ao verde que sai da janela do jardim de inverno. Este espaço é dedicado a um casal que já não é jovem e que tem uma casa de campo na cidade, e foi essa a ideia traduzida na decoração; um pouco de campo com os materiais naturais (madeira, palhinha, ratan) e de cidade com as linhas contemporâneas da cozinha, de forma a criar um natural sofisticado.

Na cozinha, um revestimento porcelânico branco texturado de folhagens passou a cobrir as paredes, e o chão dos dois espaços foi revestido com um pavimento cerâmico que imita a madeira. Como foi colocado cerâmico sobre o antigo azulejo teve de ser usada uma cola especifica, assim não foi necessário retirar o antigo. Na continuidade do conceito decorativo da sala as portas de cima dos armários são brancas e as de baixo em madeira e a decoração conta com apontamentos pretos.